Aprendendo sobre o Partido Comunista da China – por David Matas

  • O Estado é uma fachada atrás da qual o Partido governa
  • A lei não se aplica à Parte
  • O Partido se envolve em repressão sem autoridade legal
  • A mudança do Partido para o capitalismo deixou um vácuo moral
  • O Partido dá prioridade à repressão ao Falun Gong
  • O Partido vê o Falun Gong como uma organização
  • A motivação do Partido e a justificativa para a perseguição ao Falun Gong divergem
  • O partido não é uniforme
  • As lutas pelo poder dentro do Partido Comunista giram em torno do Falun Gong
  • Desumanização partidária do Falun Gong leva à brutalidade contra o Falun Gong
  • A desonestidade do partido é flagrante
  • O encobrimento do partido é sistemático
  • O Partido distorce o vocabulário
  • O Partido faz propaganda no exterior
  • O Partido assedia no exterior
  • A Parte usa seu poder no exterior para fins persecutórios
  • O Partido tenta censura no exterior
  • O Partido usa frentes no exterior
  • O partido intimida no exterior
  • O Partido se beneficia no exterior daqueles que trabalham para ele
  • Diálogos bilaterais sobre direitos humanos com a China são inúteis
  • A Festa oscila entre charme e grosseria com o mesmo resultado
  • A pressão dos pares funciona melhor no Partido do que a pressão política
  • O Partido se recusa a prestar contas do passado
  • O Partido Comunista Chinês não é chinês

O Estado é uma fachada atrás da qual o Partido governa

A relação entre o Partido Comunista e o Estado é diferente de tudo o que vemos em países democráticos. Nos estados democráticos, quem está no governo governa. Na China, é o Partido que governa. Os funcionários do Estado são fantoches. É o Partido que puxa as cordas.

Para cima e para baixo na estrutura política e legal do governo, para cada funcionário do Estado, há um funcionário do Partido. O Estado é uma fachada por trás da qual o Partido opera.

No auge, os dois sistemas se fundem. O presidente da China também é o chefe do Partido Comunista da China. Em todos os outros lugares, os dois sistemas se separam, com um funcionário do Partido instruindo um funcionário do Estado.

O Partido na maioria das vezes não opera publicamente. O estado faz políticas, decisões e leis. É o Partido que decide a portas fechadas quais serão essas políticas, decisões e leis.

Um exemplo instrutivo é o caso de Zhou Yongkang. Zhou Yongkang foi Ministro da Segurança Pública no Governo da China de 2002 a 2007. Em seguida, renunciou a essa função para se tornar Secretário da Comissão Central de Assuntos Políticos e Jurídicos do Partido Comunista da China, de 2007 a 2012.

Em países democráticos, tal mudança de uma posição governamental para uma posição partidária, mesmo no partido governante, seria considerada uma diminuição de status e poder. Tais cargos em partidos políticos em países democráticos são preenchidos principalmente por voluntários em tempo parcial.

Na China, é o inverso. Zhou, ao passar de Ministro de Segurança Pública do Governo para secretário da Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos do Partido, tornou-se o chefe de seu sucessor como Ministro de Segurança Pública, Meng Jianzhu. Ao se tornar secretário da Comissão Jurídica e de Assuntos, acabou dizendo ao ministro da Segurança Pública o que fazer.

 

A lei não se aplica à Parte

Porque o Partido governa o Estado, os órgãos do Estado não controlam o Partido. Isso vale tanto para o sistema jurídico quanto para o sistema político. O Partido está acima da lei, porque o Partido diz ao sistema legal o que fazer.

Isso não é corrupção. É a estrutura do Estado. O Partido instrui os juízes, os cartórios, a polícia, as prisões, os promotores, os investigadores e até o advogado de defesa.

Como a lei não se aplica ao Partido, a lei tem uma função diferente na China do que em outros países. A lei, para o Partido, é essencialmente um exercício de propaganda, sua face pública para o mundo e um conjunto de diretrizes para aqueles que estão fora do Partido.

A lei na China não diz ao Partido o que deve ser feito. A lei é antes um verniz público, escondendo o governo arbitrário do Partido e impondo disciplina àqueles que não estão no Partido.

 

O Partido se envolve em repressão sem autoridade legal

O Partido não dirige apenas o Estado. Ele executa um estado paralelo. O Partido não precisa da lei nem dos tribunais para praticar a repressão. Às vezes, usa a polícia e as prisões sem nenhuma lei que sustente sua atividade. O Partido também tem seus próprios quadros e centros de detenção que se dedicam à repressão.

Quando soube pela primeira vez sobre a repressão ao Falun Gong, presumi que havia sido banido. Mas nunca foi. Não há lei contra a prática do Falun Gong, apesar da detenção em massa de praticantes do Falun Gong.

Alguns praticantes do Falun Gong são processados ​​e condenados, mas não pelo crime de praticar o Falun Gong, um crime que não existe. Eles foram bastante processados ​​pela vaga ofensa de perturbar a ordem social, o que pode significar mais ou menos qualquer coisa que o Partido queira que signifique.

É bastante comum que oficiais do Partido justifiquem sua repressão ao Falun Gong dizendo que as leis devem ser respeitadas. No entanto, não há leis anti-Falun Gong a serem respeitadas.

Um exemplo pode ser tirado das Olimpíadas. De acordo com uma reportagem da Associated Press de 8 de novembro de 2007, Li Zhanjun, diretor do centro de mídia das Olimpíadas de Pequim, ao reagir a notícias sobre a proibição da Bíblia durante as Olimpíadas, disse que textos e outros itens de grandes grupos religiosos que são trazidos para a China para é permitido o uso pessoal por atletas e visitantes. Li também disse que os serviços religiosos cristãos, muçulmanos, judeus, hindus e budistas estarão disponíveis para os atletas na Vila Olímpica. No entanto, ele disse, as políticas não se aplicam ao Falun Gong. Li disse
“Textos do Falun Gong, atividades do Falun Gong na China são proibidas. Os estrangeiros que vêm para a China devem respeitar e cumprir as leis da China.”

Da mesma forma, quando ouvi falar do escritório 610, uma vasta burocracia espalhada por toda a China com a responsabilidade operacional de reprimir o Falun Gong, presumi que era um escritório do estado. O escritório foi apelidado de 610 para a data, 10 de junho de 1999, quando o Comitê Permanente do Partido decidiu reprimir o Falun Gong. É formalmente chamado de Escritório para lidar com religiões heréticas.

No entanto, o escritório 610 não é uma instituição estatal. É uma instituição do Partido. É o elemento do Partido que diz aos funcionários do Estado o que fazer com o Falun Gong, quem prender, quem torturar, quem libertar.

Além disso, não é um escritório, mas sim uma rede de escritórios em todo o país. Cada delegacia de polícia, cada empresa governamental e burocracia tem seu próprio componente 610. É uma vasta estrutura paralela do Partido espalhada por toda a China.

 

A mudança do Partido para o capitalismo deixou um vácuo moral

A mudança na China do socialismo para o capitalismo levou a um vácuo moral. O socialismo comunista era um jargão econômico, mas tinha uma linha moral simples – de cada um de acordo com seus meios, para cada um de acordo com suas necessidades. O comunismo socialista era uma forma de comunitarismo.

Com o comunismo capitalista, essa linha moral desapareceu. Grandes desigualdades de renda se desenvolveram. O comunismo capitalista foi uma troca – permitir que os quadros comunistas permanecessem no poder, permitindo que os cidadãos acumulassem riqueza.

O Falun Gong surgiu para preencher o vácuo moral criado pelo abandono do socialismo. Falun Gong é uma mistura e atualização das tradições chinesas espirituais e de exercícios. Tem três princípios morais diretos – veracidade, compaixão e tolerância.

O Partido Comunista inicialmente encorajou o Falun Gong porque seus exercícios são bons para a saúde e reduzem os custos do sistema de saúde. No entanto, a rápida disseminação e ampla popularidade da prática do Falun Gong levou o Partido a temer por sua supremacia ideológica. Então houve uma repressão. A repressão tornou-se, com efeito, uma repressão da moralidade. Com a repressão ao Falun Gong, a China ficou sem bússola moral.

 

O Partido dá prioridade à repressão ao Falun Gong

O que mais importa para o Partido Comunista é permanecer no poder. A mudança do socialismo para o capitalismo significava que o controle comunista era um poder sem propósito. Não havia outro objetivo para os comunistas alcançarem além de sua própria continuação no cargo. O Partido Comunista na China hoje não representa nada além de si mesmo.

A maior ameaça que os comunistas viram para essa continuação no poder foi o Falun Gong. A repressão ao Falun Gong não era, para o Partido Comunista, uma atividade entre muitas. Tornou-se, sim, sua prioridade número um. Todas as outras atividades, incluindo o sucesso econômico, ficam em segundo lugar.

 

O Partido vê o Falun Gong como uma organização

A visão do Partido Comunista sobre o Falun Gong é bem diferente da realidade do Falun Gong. O Partido vê o Falun Gong como uma organização controlada por um “cérebro” não revelado.

No entanto, a realidade é que o Falun Gong é um conjunto de exercícios com base espiritual. É o equivalente chinês do yoga.

Alguns daqueles que praticam o Falun Gong criaram ou se juntaram a várias organizações voluntárias de praticantes. No entanto, qualquer pessoa pode fazer os exercícios a qualquer hora, em qualquer lugar e também parar a qualquer momento. Não há nada que precise ser juntado, nenhum dinheiro que precise ser pago, ninguém que precise ser contado.

O Partido fez do seu inimigo número um uma organização que não existe. A repressão ao Falun Gong é baseada na ilusão e na paranóia.

 

A motivação do Partido e a justificativa para a perseguição ao Falun Gong divergem

Há uma lacuna substancial entre a motivação comunista para a repressão ao Falun Gong e a justificativa pública dada para essa repressão. O Partido não diz que está reprimindo o Falun Gong porque é popular. Eles preferem inventar calúnias contra o Falun Gong para desacreditá-lo.

A rubrica para o conglomerado de calúnias do Falun Gong, o slogan, é “culto do mal”. A frase “culto do mal”, como grande parte da linguagem do Partido Comunista, faz pouco sentido, sugerindo que existe um culto bom. As calúnias sob esta rubrica de culto maligno incluem alegações como suicídio induzido, lavagem de dinheiro, forçar as mulheres à prostituição, bestialidade e vampirismo ou sucção de sangue.

Não há, desnecessário dizer, nenhuma evidência para nada disso. Falun Gong não é um culto de qualquer tipo, bom ou ruim. Os praticantes do Falun Gong levam uma vida normal em suas comunidades; eles são uma seção transversal da comunidade global, não são diferentes de seus vizinhos além de fazer os exercícios e, espera-se, aderir às restrições morais dos ensinamentos do Falun Gong.

O que os comunistas dizem sobre o Falun Gong não nos diz nada sobre o Falun Gong. Mas isso nos diz muito sobre o comunismo, que eles estão preparados para dizer mais ou menos qualquer coisa sobre o Falun Gong, não importa qual seja sua conexão com a realidade. Não é um grande passo para perceber que os comunistas estão preparados para fazer qualquer coisa contra o Falun Gong, não importa qual seja a conexão com a moralidade.

 

O partido não é uniforme

A decisão de reprimir o Falun Gong não foi unânime no Partido. Foi liderado pelo ex-presidente Jiang Zemin quando ele era chefe do Partido, mas muitos se opuseram. A prática do Falun Gong era difundida dentro do Partido antes de sua repressão e para muitos parecia cruel, ou pelo menos inútil, reprimir algo que era benéfico, ou pelo menos inofensivo.

A burocracia 610 dentro do Partido era uma estrutura de poder paralela para Jiang Zemin e seus acólitos. Para a facção Jiang Zemin do Partido, a repressão ao Falun Gong foi uma instrumentalização, uma forma de espalhar seus tentáculos de controle por todo o Partido.

O medo da supremacia do Falun Gong foi apenas uma tática que Jiang Zemin usou como meio de manter o controle do Partido depois que deixou o cargo, o tempo todo sabendo que o Falun Gong não representava uma ameaça real? Ou o ex-presidente estava realmente delirando? Qualquer que seja a resposta a essas perguntas, o resultado é o mesmo, repressão ao Falun Gong sem rima ou razão.

 

As lutas pelo poder dentro do Partido giram em torno do Falun Gong

Desde que a repressão ao Falun Gong começou, tem havido elementos do Partido que pressionam contra essa repressão. O Partido foi dividido desde os dias de Jiang Zemin em uma facção pró e anti Jiang Zemin. As facções são ideológicas. A repressão ao Falun Gong é uma falha. Não é coincidência que o principal perseguidor do Falun Gong depois do próprio Jiang Zemin fosse Bo Xilai, o queridinho do movimento pró Jiang.

No entanto, após a Revolução Cultural, o Partido decidiu que envolver a luta pelo poder em bases ideológicas era muito prejudicial para o Partido. Assim, o Partido escolheu um alvo substituto, a corrupção, um abuso sobre o qual não há divisão de princípios.

O sucessor imediato de Jiang Zemin foi Hu Jintao. Ele se via como um harmonizador. Harmonia para ele não significava acomodar a opinião pública, mas sim impedir que as facções se envolvessem em um conflito muito extremo.

Xi Jinping não é tão contido. Ele foi atrás da facção Jiang Zemin com entusiasmo. Centenas de acólitos de Jiang foram removidos do cargo e detidos, sob acusação de corrupção. As acusações de corrupção podem, em alguns casos, ser reais, mas a escolha dos alvos, se considerarmos apenas a corrupção, é arbitrária. Esses asseclas de Jiang Zemin foram, longe de ser coincidentes, os principais perseguidores do Falun Gong.

Como os quadros de liderança da perseguição ao Falun Gong foram, por meio da campanha anticorrupção, desaparecendo do cargo, algumas pessoas expressaram esperança de que a perseguição ao próprio Falun Gong murchará. No entanto, até agora não há nenhum sinal disso, nenhuma redução na perseguição ao Falun Gong.

Pode parecer estranho que Xi Jinping vá atrás dos perseguidores do Falun Gong, mas mantenha a perseguição ao Falun Gong intacta. Uma razão pode ser que o sistema tenha se tornado imbuído da perseguição. Há agora tantas pessoas envolvidas nisso que a perseguição continua a funcionar mesmo depois que sua liderança se foi. Outra razão pode ser que o objetivo de Xi Jinping não seja tanto acabar com a perseguição, mas acabar com o uso que Jiang Zemin fez dessa perseguição para construir e manter o controle do Partido depois que ele deixou de ser presidente.

 

Desumanização partidária do Falun Gong leva à brutalidade contra o Falun Gong

A ligação entre desumanização e brutalidade é um lugar comum de perseguição. A perseguição quase sempre começa com palavras.

O caso do Falun Gong é um exemplo clássico desse fenômeno por causa do forte contraste entre a propaganda contra o Falun Gong e a realidade do Falun Gong. Não apenas o que o Partido diz sobre o Falun Gong – culto maligno, vampirismo e assim por diante – não é verdade. É imediatamente aparente que não é verdade para qualquer um que tenha o menor conhecimento passageiro do Falun Gong.

A ligação entre incitação e violência, no entanto, mesmo neste caso extremo, é verdadeira. Em parte, é uma questão de licença.

Carcereiros e hospitais sabem que podem matar o Falun Gong por seus órgãos impunemente, precisamente porque a propaganda do Partido é tão venenosa contra eles. Os praticantes do Falun Gong que saíram da prisão e da China diziam a David Kilgour e a mim que seus guardas lhes diziam “vocês não são humanos, podemos fazer o que quisermos com vocês”.

David Kilgour e eu tivemos investigadores que ligaram para hospitais, fingindo ser parentes de pacientes que precisavam de transplantes e pedindo órgãos do Falun Gong com base no fato de que o exercício do Falun Gong e seus órgãos seriam saudáveis. Hospitais, pelo menos quando começamos nossa investigação, admitiam abertamente aos nossos investigadores que estavam envolvidos em matar o Falun Gong por seus órgãos; eles presumiram que os interlocutores eram locais e estavam bem cientes das tiradas do Partido contra o Falun Gong.

 

A desonestidade do partido é flagrante

A desonestidade do Partido Comunista da China foi, para mim, surpreendente. Não é que eu esperasse que os comunistas fossem honestos. Mas fiquei surpreso como eles eram indiferentes a parecerem honestos. Não houve nenhuma tentativa de se conformar nem mesmo da maneira mais rudimentar à realidade.

Como advogado de tribunal, estou acostumado a que as pessoas discordem de mim. Mas nunca vi nada parecido com o desacordo com nosso relatório do governo da China. O desacordo do governo chinês cuidadosamente evita o plausível e gravita em direção ao ultrajante.

Aqui está apenas um exemplo, que dá uma ideia do que o governo da China está fazendo. Fui a Israel para falar em 30 de maio de 2007 em um simpósio sobre transplantes de órgãos no hospital Beilinson perto de Tel Aviv. A Embaixada da China em Israel circulou uma declaração no simpósio que o relatório que David Kilgour e eu escrevemos sobre a extração de órgãos de praticantes do Falun Gong contém:
“provas verbais sem fontes, testemunhas não verificáveis ​​e uma enorme quantidade de comentários pouco convincentes baseados em palavras como 'provavelmente', 'possivelmente', 'talvez' e 'diz-se', etc. Tudo isso só põe em dúvida a veracidade do relatório .”

No entanto, tudo o que se precisa fazer é examinar o relatório para ver que cada declaração que fazemos em nosso relatório é verificável de forma independente. Não há evidência verbal sem fontes. Onde confiamos em testemunhas, nós as identificamos e citamos o que elas dizem. Nosso estudo foi corroborado por pesquisadores independentes desinteressados.

O relatório está na internet e é pesquisável por palavras. Quem pesquisar pode ver que as palavras “provavelmente”, “possivelmente”, “talvez” e a frase “diz-se” não são usadas em nosso relatório, nem uma vez.

 

O encobrimento do partido é sistemático

Outro fenômeno que me surpreendeu no início, mas com o qual me acostumei bastante com o tempo, foi o encobrimento sistemático. Toda vez que eu ou outros identificamos uma evidência da China em apoio à conclusão de que os praticantes do Falun Gong estavam sendo mortos por seus órgãos, a evidência desaparecia. Conseguimos arquivar as evidências eletrônicas, para que pessoas de fora possam vê-las. No entanto, aqueles dentro da China são colocados no escuro.

Aqui estão alguns exemplos
• A China administra quatro registros de transplante de coração, fígado, pulmão e rim. Os hospitais se reportam diretamente aos registros. Os registros de coração, pulmão e rim estão alojados na China continental e nunca foram públicos. Os dados agregados para o registro do fígado costumavam ser públicos. O acesso público foi encerrado assim que eu e outros pesquisadores começamos a citar os dados encontrados nele.

• Os médicos costumavam enviar cartas para pacientes estrangeiros que fizeram transplantes na China, indicando aos médicos pós-operatórios no exterior o tipo e a dose dos medicamentos administrados, resultados de exames padrão, resumo clínico e achados pós-operatórios. Depois que o relatório que David Kilgour e eu fizemos sobre abuso de transplante de órgãos na China foi divulgado em julho de 2006, a emissão dessas cartas cessou.

• Sites de hospitais costumavam anunciar tempos de espera curtos para transplantes. Um site oficial chinês voltado para turistas de transplantes anunciava preços para transplantes em dólares americanos para vários órgãos. Assim que David Kilgour e eu publicamos nossa pesquisa, esses anúncios desapareceram.

 

O Partido distorce o vocabulário

O Partido toma as palavras no uso dos padrões e dá a elas seu próprio significado. Interpretar palavras padronizadas como tendo significados não padronizados está fadado a induzir ao erro. Para entender o que o Partido está dizendo, é necessário conhecer os significados especiais que o Partido dá às palavras usadas.

Para o Partido, as fontes “voluntárias” incluem os presos, desde que sigam o procedimento estabelecido para o sistema de doação. “Doações” significa pagar membros da família de fontes de órgãos por consentimento. “Transparência” significa um anúncio de que os hospitais não estão mais adquirindo órgãos de prisioneiros. “Estado de direito” significa controle do Partido Comunista e do sistema de saúde estatal, em vez de hospitais agindo por conta própria. Acabar com o fornecimento ou órgãos de prisioneiros “agora” significa acabar com o fornecimento de prisioneiros eventualmente. Ao avaliar o que os funcionários do Partido Comunista dizem, devemos ter em mente a maneira como o Partido redefiniu as palavras padrão para significar o que o Partido quer que elas signifiquem.

 

O Partido faz propaganda no exterior

O Partido não limita sua propaganda à China, onde tem um público cativo. Faz propaganda no exterior. Essa propaganda no exterior, que pode ser refutada pelo contra-discurso, tem menos probabilidade de ser eficaz em casa, mas tem seu impacto.

Políticos ou funcionários públicos que se reúnem com o Falun Gong, bem como a mídia que os entrevista, geralmente são os destinatários de propaganda antiFalun Gong de spam. Um spammer líder (ou grupo de spammers) usa o nome de Charles Liu, que também usa o nome de Bobby Fletcher. Ele é (ou eles são) um apologista do governo chinês, geralmente repetindo posições do governo da China, incluindo a negação da existência do massacre da praça Tian An Men de 1989. Mas seus esforços principais foram direcionados ao descrédito do Falun Gong, por meio de e-mails direcionados, grupos de discussão, cartas ao editor e blogs na internet. O Padrão Ocidental relata:
“As ações de Liu refletem as campanhas de desinformação realizadas pelo governo chinês no passado. Normalmente, isso inclui a divulgação deliberada de fatos falsos ou enganosos para semear confusão ou dúvida entre os relatos conflitantes”.

O governo da China publica, imprime e distribui jornais de língua chinesa e local em países estrangeiros que nada mais são do que folhetos de propaganda antiFalun Gong. No Canadá, um exemplo é o La Presse Chinoise.

La Presse Chinoise é um pequeno jornal de Montreal com uma tiragem de 6,000 exemplares. Mas em agosto de 2006, publicou um número de trinta e duas páginas, imprimiu 100,000 cópias e distribuiu por todo o Canadá. Esta edição não tinha anúncios. Foi distribuído gratuitamente. E não continha nenhuma notícia, apenas um ataque ao Falun Gong. A edição não disse que foi financiado pelo governo da China. Mas de acordo com um relatório investigativo de Mark Morgan da La Grande Époque, essa era a realidade.

Funcionários da embaixada e consulares circulam por reuniões públicas distribuindo literatura antiFalun Gong. Um desses folhetos, distribuído por funcionários do consulado de Calgary, Alberta, Canadá, levou a uma investigação de crimes de ódio. As autoridades chinesas colocaram literatura de ódio antiFalun Gong do lado de fora de uma sala de conferências da American Family Foundation Conference na Universidade de Alberta em Edmonton em junho de 2004. A polícia de Edmonton recomendou a acusação de crimes de ódio contra funcionários consulares chineses Cao, Jianye e Yeh, Chi Yao distribuição.

Há uma história semelhante com a mídia eletrônica. CCTV4, uma emissora de TV por satélite do governo chinês, pediu permissão para transmitir no Canadá em uma base digital. A Comissão Canadense de Radiotelevisão e Telecomunicações em 22 de dezembro de 2006 concluiu que esta emissora tinha um histórico de comentários abusivos, incitação ao ódio e desprezo, incitação à violência e ameaças à segurança física contra o Falun Gong. O CRTC aprovou o pedido, mas com um aviso de que, a menos que o CCTV4 esteja livre de comentários abusivos, ele seria removido da lista de serviços de satélite qualificados autorizados para distribuição digital no Canadá.

O governo da China usa suas embaixadas e consulados para montar exibições públicas contra o Falun Gong. Por exemplo, o consulado chinês em Toronto, Canadá, exibiu uma série de pôsteres anti-Falun Gong ao longo da parede, onde as pessoas esperam na fila para solicitar vistos. A exposição intitula-se “Combater Cultos e Proteger os Direitos Humanos”. Os cartazes afirmam “Falun Gong é um flagelo”.

 

O Partido assedia no exterior

A China, de certa forma, é como qualquer outro violador grosseiro dos direitos humanos, perseguindo seus alvos escolhidos com abandono. De certa forma, a China é bem diferente.

A maioria dos países se contenta em reprimir seus alvos escolhidos em casa e deixá-los sozinhos no exterior. De fato, para alguns regimes que violam grosseiramente os direitos humanos, ter seus oponentes no exterior é bem-vindo, porque, assim raciocinam esses regimes, os oponentes não podem causar problemas em casa.

O Governo da China/Partido Comunista da China é virtualmente único na disseminação global sistêmica de sua repressão contra seus inimigos fantasiados. O título deste fórum é “A China está em toda parte”. O Partido Comunista da China não é apenas um problema para a China. É um problema mundial.

O governo da China, fora de suas fronteiras, não detém arbitrariamente o Falun Gong e tenta torturá-los até a retratação ou matá-los por seus órgãos. No entanto, de outras formas menos extremas, a repressão ao Falun Gong é, para o governo da China, uma atividade global.

A China se envolve em espionagem ou o que eufemisticamente é chamado de coleta de inteligência sobre o Falun Gong. Os desertores afirmam que essa espionagem ou coleta de informações sobre o Falun Gong é a principal tarefa das embaixadas chinesas em todo o mundo. Os praticantes do Falun Gong em todos os lugares estão sendo constantemente monitorados e espionados pelo governo da China. Essa coleta de informações e espionagem é uma invasão da privacidade dos praticantes do Falun Gong. Mas as consequências são bem piores do que isso.

Uma forma de assédio relatada pelos praticantes do Falun Gong são os telefonemas incessantes com mensagens gravadas. As mensagens arengam os ouvintes em chinês e inglês em declarações gravadas de três minutos demonizando o Falun Gong. As fitas incluem canções patrióticas chinesas.

Alguns praticantes receberam até vinte e cinco ligações por dia. As ligações foram feitas para residências, telefones celulares e locais de trabalho. As ligações enchem as máquinas de mensagens. As chamadas feitas para telefones celulares acumulam cobranças baseadas no uso. A alta frequência das chamadas telefônicas faz com que os proprietários de telefones desliguem seus telefones celulares.

As queixas às companhias telefônicas ou à polícia não levam a lugar algum. As ligações foram rastreadas para a China continental. A polícia estrangeira e as companhias telefônicas não podem fazer nada sobre essas ligações.

Os praticantes do Falun Gong descobrem que suas contas de e-mail foram hackeadas. É possível que um cliente descubra de seu provedor de serviços de Internet os locais de onde a conta de e-mail foi acessada. Os praticantes do Falun Gong que fizeram perguntas descobrem que suas contas de e-mail estão sendo acessadas de lugares onde nunca estiveram.

Um uso para o qual o governo chinês coloca as informações coletadas por meio de seus esforços de inteligência ou espionagem é enviar vírus para praticantes do Falun Gong e aqueles que estão em contato com eles eletronicamente. Durante a organização de uma visita que fiz em 2007 à Austrália para falar em eventos de ONGs paralelas à cúpula da APEC, eu, juntamente com o restante de uma lista em que estava, recebi esse vírus. Um especialista técnico rastreou o vírus até a China continental. O remetente do vírus assume a identidade de uma pessoa no serviço de lista para que a mensagem com o vírus pareça vir de alguém conhecido no serviço de lista.

Felizmente, o vírus não infectou meu computador por causa dos sistemas que uso. Outros não tiveram tanta sorte. O recebimento de vírus por praticantes do Falun Gong rastreados na China continental é comum.

Sites que hospedam informações sobre o Falun Gong estão sujeitos a ataques cibernéticos da China. Por exemplo, o site Bestnet, que hospedava um site espelho de um site do Falun Gong, relatou em 30 de julho de 1999 um ataque de negação de serviço que “parece vir de fontes dentro da China”. O mestre da web John Walker escreveu:
“O governo da China pode usar a intimidação para governar dentro de suas próprias fronteiras, mas serei amaldiçoado se os deixar escapar impunes aqui.”

Um ataque de negação de serviço é uma inundação de solicitações com informações incompletas que eventualmente faz com que a máquina de destino falhe. Detetives da Internet conseguiram rastrear o endereço do protocolo da Internet. A partir disso, eles conseguiram encontrar o nome e o endereço do proprietário desse endereço IP. Embora o nome do proprietário fosse inócuo, o endereço era a sede do Ministério de Segurança Pública do Governo da China.

 

A Parte usa seu poder no exterior para fins persecutórios

O Governo da China, pelo fato de representar um Estado, tem alguns poderes que pode exercer no exterior. A Parte emprega o Governo para usar esses poderes para fins persecutórios.

Cidadãos chineses no exterior que o governo chinês identificou como praticantes do Falun Gong terão a renovação de passaporte negada, a menos que renunciem por escrito à sua crença no Falun Gong. Visitei mais de trinta países para promover as recomendações do relatório que David Kilgour e eu escrevemos sobre a extração de órgãos de praticantes do Falun Gong na China. No decorrer dessas visitas, encontrei muitos praticantes do Falun Gong em diferentes países que tiveram a renovação de passaporte negada. Eles foram informados por suas embaixadas que a razão é que eles são Falun Gong.

A China usa seu sistema de entrada e saída de vistos para fins de propaganda antiFalun Gong. Os praticantes conhecidos do Falun Gong não podem deixar a China.

Não é permitida a entrada a ninguém que seja conhecido como Falun Gong ou simpatizante do Falun Gong, especialmente onde o propósito é tão benigno quanto simplesmente conhecer outros praticantes do Falun Gong em particular. Isso vale até para Hong Kong. Mais de 70 praticantes do Falun Gong de Taiwan foram impedidos de entrar em Hong Kong em fevereiro de 2003 para participar de uma conferência de troca de experiências.

Enquanto os jornalistas que o governo da China identificou como simpatizantes recebem uma visita real, todas as despesas pagas, os jornalistas identificados como propensos a relatar violações de direitos humanos chineses têm vistos negados. Um exemplo são os vistos concedidos aos repórteres que acompanharam o primeiro-ministro canadense Paul Martin em sua visita à China em janeiro de 2005. Originalmente, Danielle Zhu e David Ren da NTDTV receberam vistos para a viagem. Mas então os vistos foram revogados. PEN Canadá protestou contra as revogações, mas sem sucesso.

A China insiste que as pessoas com quem faz negócios não são praticantes do Falun Gong. Por exemplo, o Governo do Canadá financia projetos na China por meio da Agência Canadense de Desenvolvimento Internacional. Os beneficiários canadenses do financiamento da CIDA fornecido por meio de acordos de contribuição que obrigam os beneficiários a trabalhar na China são obrigados pela China a não permitir que nenhum cidadão canadense praticante do Falun Gong participe do trabalho financiado pelo acordo de contribuição.

 

O Partido tenta censura no exterior

O governo/partido comunista chinês no exterior usa seus funcionários de embaixadas para tentar calar o discurso crítico das violações de direitos humanos do governo/partido. O esforço é direcionado para fóruns públicos, bem como para a mídia.

Eu tive vários eventos e compromissos cancelados no último minuto, em todo o mundo, quando eu estava programado para falar sobre o assassinato do Falun Gong por seus órgãos. Com uma exceção, aqueles que cancelaram não atribuíram o cancelamento a um pedido de um consulado ou embaixada chinesa.

A exceção foi a rede de televisão canadense Canadian Broadcasting Corporation, que reconheceu ter feito um documentário em novembro de 2007 apresentando a pesquisa que David Kilgour e eu fizemos a pedido de funcionários do governo chinês. A CBC, então, por conta própria revisou o documentário contra a objeção do produtor Peter Rowe e transmitiu a versão revisada.

Mais típico foi o que aconteceu na San Francisco State University ou na Bond University em Brisbane, Austrália. Em abril de 2008, eu deveria falar na San Francisco State University. Os organizadores deste evento compraram um anúncio no San Francisco Chronicle anunciando o evento. Pouco antes do evento, a Universidade cancelou o local.

Os organizadores remarcaram o evento para um hotel próximo. A Universidade colocou cartazes dizendo que o evento, não apenas o local, havia sido cancelado. Os organizadores tiveram que colocar voluntários na Universidade para redirecionar as pessoas para o hotel.

Eu estava programado para falar na Bond University, Gold Coast, Austrália, em 4 de agosto de 2008. A reserva foi feita em 7 de julho através de um funcionário da universidade que disse que tudo havia sido liberado pelos superiores e que a universidade notificaria todos os alunos e funcionários sobre o fórum internamente. Os organizadores do evento foram autorizados a colocar cartazes ao redor do campus promovendo o evento, o que eles fizeram. Em 28 de julho, menos da semana anterior ao evento, os organizadores receberam um e-mail informando que o local não estava mais disponível. O vice-chanceler, ao ser telefonado, disse que, não importa o que fosse dito, não se importava e disse que a decisão era definitiva.

Embora aqueles que cancelaram normalmente não digam que o fizeram a pedido de autoridades chinesas, muitos que não cancelaram indicaram que receberam um pedido pouco educado da embaixada ou consulado chinês pedindo o cancelamento. Um exemplo é o que aconteceu em Israel.

Em um fórum de transplante de órgãos no qual falei em maio de 2007 no Hospital Beilinson em Israel, foi-me dito, quando cheguei a Israel no domingo anterior ao evento, que a embaixada chinesa havia pedido aos Negócios Estrangeiros israelenses para cancelar o evento. O vice-ministro adjunto dos Negócios Estrangeiros, Avi Nir, e o vice-ministro adjunto da Saúde, Boz Lev, apresentaram o pedido ao hospital de acolhimento de Beilinson, que recusou. Negócios Estrangeiros e Saúde então pediram ao hospital que retirasse o convite para eu falar mesmo que o programa continuasse. O hospital recusou isso também.

Negócios Estrangeiros e Saúde então pediram ao hospital que retirasse o convite a Roy Bar Ilan, um praticante do Falun Gong, para fazer parte do painel de encerramento. Isso o hospital fez, embora o programa, como anunciado até no dia do evento, incluísse seu nome.

Em uma viagem à Austrália, em agosto de 2006, David Kilgour falou sobre nosso relatório em um fórum em Melbourne organizado pelo membro do Partido Liberal Victor Perton. O consulado chinês de Melbourne enviou uma carta a todos os membros da Assembleia Legislativa pedindo que não participassem do fórum.

Da mesma forma, quando eu estava na Finlândia em setembro de 2006, reunindo-me com a comissão parlamentar finlandesa de direitos humanos, o presidente deles me informou que a embaixada chinesa havia ligado, instando-os a não se encontrarem comigo. O presidente respondeu que os funcionários da embaixada eram bem-vindos para se reunirem separadamente com o comitê, mas que o comitê ainda assim se reuniria comigo.

Onde os eventos acontecem apesar dos melhores esforços chineses para detê-los, o governo da China tenta desencorajar as pessoas de comparecerem a eles. Cartas são enviadas de embaixadas e consulados para notáveis ​​e dignitários caluniando os eventos, o Falun Gong e pedindo o não comparecimento.

Um exemplo particularmente lamentável desse esforço de censura é o esforço global do governo chinês para minar o espetáculo de dança em turnê patrocinado pela New Tang Dynasty TV (NTDTV). Por exemplo, a embaixada chinesa na Suécia pediu às autoridades municipais em Estocolmo e Linkoping que cancelassem os locais dos espetáculos de dança chinesa programados para janeiro de 2008 porque os artistas tinham ligações com o Falun Gong.

Um esforço semelhante foi bem sucedido em Seul e Pusan ​​na Coréia do Sul. Em 2007, dois locais em Seul, o Teatro Nacional da Coreia e o Centro de Convenções e Exposições rescindiram seus contratos com a companhia de dança por pressão da embaixada chinesa. Uma ação judicial bem-sucedida contra o Centro de Convenções e Exposições significou que o evento acabou sendo realizado em uma data posterior. Em 2008, o teatro da Korean Broadcasting Corporation em Pusan ​​se comportou de maneira semelhante, desistindo de um contrato para uma apresentação de dança após o protesto do governo da China.

Uma carta do Consulado Geral da República Popular da China ao deputado de Nova York Michael Benjamin, datada de 11 de dezembro de 2007, pede que ele não apoie de forma alguma o espetáculo da dança. O deputado Benjamin indicou que participaria do evento independentemente e tornou a carta pública.

 

O Partido usa frentes no exterior

O Partido nem sempre funciona em seu próprio nome ou em nome do Governo da China. Às vezes, estabelece organizações de fachada aparentemente inócuas e usa essas organizações para levar sua mensagem. Essas frentes são nominalmente independentes do governo, mas na verdade atuam como seus agentes.

Muitas universidades têm organizações estudantis chinesas que estão intimamente ligadas à embaixada ou consulado chinês local. O governo chinês usa ameaças de negação de visto de saída e intimidação da família em casa para fazer com que estudantes no exterior espionem seus colegas de classe e intimidem o Falun Gong.

Eu pessoalmente fui testemunha das atividades desses grupos nas Universidades de Columbia e Princeton quando falei lá em abril de 2007. Em Columbia, uma organização intitulada Associação de Estudantes e Acadêmicos Chineses da Universidade de Columbia postou essa ameaça em seu site: ser executados, não importa o quão longe eles estejam”. Quando falei lá, um grupo veio ao endereço com faixas e bandeiras vermelhas que a segurança exigia que deixassem do lado de fora. No entanto, eles seguraram cartazes que diziam em chinês e inglês que o Falun Gong é um culto maligno. Eu obtive o e-mail que eles usaram para trazer seus colegas para fora e, para minha palestra, comecei a lê-lo e reagir a ele. Não gostando do que estavam ouvindo, o grupo deixou minha palestra e a sala em massa no meio do fluxo. Em Princeton, houve um protesto de gangues semelhante, embora desta vez os agentes do governo chinês pudessem trazer cartazes que seguravam no fundo da sala.

O governo chinês também concede bolsas para universidades estabelecerem institutos Confúcio. Esses institutos são supostamente para estudos chineses. Mas uma vez estabelecidos, eles se tornam canais de espionagem para o governo chinês e alavancam a universidade para tentar banir a atividade do Falun Gong.

O uso de um instituto de Confúcio depende da embaixada ou consulado local que concede os fundos. Mas estive em algumas universidades que relatam que os funcionários de etnia chinesa desses institutos, uma vez estabelecidos, tornam-se alvos de funcionários do governo chinês que buscam informações sobre a atividade do Falun Gong no campus.

A Universidade de Tel Aviv removeu em 2008 uma exposição sobre a meditação do Falun Gong. O professor Yoav Ariel, professor do Departamento de Estudos do Leste Asiático, confirmou que ordenou a remoção da exposição por causa de um pedido da embaixada chinesa. Ariel disse que a universidade deve levar em consideração seus vínculos com as universidades chinesas, com as quais realiza intercâmbio de estudantes. A Universidade possui um Instituto Confúcio, dotado pelo Governo da China, desde 2007.

 

O partido intimida no exterior

O Partido usa o peso político e econômico do Governo da China para perseguir seus objetivos do Partido no exterior. O Partido é um valentão que joga ao redor o peso considerável da China.

Por exemplo, em uma carta em março de 2003 ao deputado canadense Jim Peterson, o encarregado de negócios chinês no Canadá “aconselhou o governo canadense sobre a sensibilidade da questão [do Falun Gong] nas relações bilaterais gerais [entre Canadá e e China]”. Em outras palavras, a simpatia pela situação do Falun Gong teria um impacto negativo nas relações bilaterais chinesas canadenses.

O consulado chinês em Toronto escreveu aos vereadores em 2004 pedindo-lhes que se opusessem a uma moção para a proclamação de uma semana do Falun Gong. As cartas diziam: “Se aprovada, a moção terá um efeito muito negativo em nossas futuras trocas e cooperação benéficas”. Entre os “intercâmbios e cooperação benéficos” que o vereador da cidade de Toronto, Michael Walker, ouviu mencionar, estavam ameaçados a venda de um reator nuclear canadense, o CANDU, para a China, a construção pela empresa canadense Bombardier de uma ligação ferroviária com o Tibete e um empréstimo de panda para o zoológico Metro Toronto.

As empresas que anunciam no jornal Epoch Times relatam telefonemas ameaçadores. O mesmo acontece com as empresas que servem como depósitos de distribuição do jornal, locais onde o jornal pode ser retirado pelos clientes.

O Epoch Times é um jornal distribuído globalmente, de natureza geral, mas com foco nas violações dos direitos humanos na China. Muitos praticantes do Falun Gong estão envolvidos no documento.

Os telefonemas caluniam o Falun Gong e alertam os anunciantes e distribuidores sobre a perda de negócios se persistirem. Por exemplo, um agente de viagens na Inglaterra foi avisado de que, se sua agência continuasse a anunciar no Epoch Times, sua agência não poderia mais reservar voos em companhias aéreas chinesas. Embora os interlocutores não se identifiquem como representantes do Governo da China, apenas representantes do Governo da China estariam em posição de proferir tais ameaças.

Essas ameaças tiveram um impacto. O Epoch Times relatou uma queda nos pontos de publicidade e distribuição após o início das ligações. Na Inglaterra, essas ligações foram objeto de uma reclamação ao Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido. No entanto, o Foreign Office recusou-se a tomar qualquer medida, alegando que não havia provas suficientes de que as ligações foram feitas.

 

O Partido se beneficia no exterior daqueles que trabalham para ele

Em alguns casos, os indivíduos tomam suas próprias iniciativas na tentativa de atender aos desejos percebidos do governo da China. Esses indivíduos trabalham para o Partido Comunista da China.

Fora da China, a obsessão do Partido Comunista Chinês pelo Falun Gong é aparente e o nível de sua intervenção tanto para fazer propaganda contra o Falun Gong quanto para bloquear qualquer tentativa de expor sua perseguição é bastante detalhado. No entanto, seria ir longe demais dizer que todo silêncio sobre as violações lideradas pelo Partido é resultado do cumprimento de solicitações específicas do governo da China.

Por exemplo, nos departamentos de estudos chineses em universidades ao redor do mundo, quase sem exceção, não há cursos, projetos de pesquisa, publicações, palestras sobre o Falun Gong. Há um silêncio estrondoso nos departamentos de estudos da China em todo o mundo sobre a perseguição ao Falun Gong, apesar do fato de que essa perseguição nos diz mais sobre a China do que praticamente qualquer outra coisa. Nos departamentos de estudos da China, o Falun Gong é cuidadosamente ignorado.

Quando as universidades ignoram algo tão central para a China, tão óbvio, não é por ignorância. É mais por um desejo de não antagonizar a China. Os estudiosos da China sentem que precisam da cooperação do governo da China, pelo menos para obter vistos para entrar na China, para prosseguir com seu trabalho. Para garantir essa cooperação, eles se afastam de um assunto que o governo da China não gostaria que eles considerassem. Os estudiosos têm integridade suficiente para não seguir a linha do governo chinês sobre o Falun Gong. Mas se eles disserem mais alguma coisa, as autoridades chinesas vão para o telhado. Para evitar essa reação, eles não dizem nada.

 

Diálogos bilaterais sobre direitos humanos com a China são inúteis

A antecessora do Conselho de Direitos Humanos da ONU, a Comissão de Direitos Humanos costumava ver apresentadas, se não adotadas, resoluções sobre a situação dos direitos humanos na China. O governo chinês negociou essas resoluções, oferecendo diálogo bilateral sobre direitos humanos em troca do abandono de propostas de resolução sobre direitos humanos na China. Todos os proponentes das resoluções aceitaram essa barganha do diabo.

Os diálogos já existem há muitos anos. O acadêmico canadense Charles Burton avaliou em abril de 2006 o diálogo bilateral Canadá China a pedido do Ministério de Relações Exteriores do Canadá. Ele relatou que os participantes chineses nos diálogos eram funcionários de baixo escalão que passavam a maior parte do tempo das reuniões apenas lendo roteiros e, além disso, os mesmos roteiros ano após ano. Não havia conexão óbvia entre esses diálogos e o que realmente aconteceu na China. Altos funcionários comunistas chineses resistiram a levar o diálogo a sério; eles viram como uma afronta à dignidade nacional da China que a China respondesse a estrangeiros por decisões de política doméstica.

Katrin Kinzelbach chegou a uma conclusão semelhante para o diálogo sobre direitos humanos da União Européia China. Ela escreve:
“Ao longo dos anos, [oficiais chineses] se tornaram profissionais do diálogo sobre direitos humanos. . . . [As] conversas confidenciais regulares a portas fechadas serviram como treinamento intensivo para um pequeno número de autoridades chinesas sobre como se envolver – e efetivamente contrariar – consultas, críticas e recomendações relacionadas aos direitos humanos.”
A futilidade deste diálogo é sublinhada pela experiência do Falun Gong. Muitos funcionários de relações exteriores em vários governos com quem conversei ao longo dos anos indicam que eles regularmente levantam a perseguição ao Falun Gong nesses diálogos sem sucesso. Eles relatam que seus colegas chineses não respondem ou são rudes. A perseguição ao Falun Gong, como resultado desses diálogos, não diminuiu nem um pouco.

 

A Festa oscila entre charme e grosseria com o mesmo resultado

O Partido Comunista/Governo da China responde às críticas de duas maneiras. Uma é a grosseria. A segunda é o charme.

Quando o Partido/Estado é rude, os críticos são atacados pessoalmente e em detalhes. A lógica é atendida com o desconcertante. Evidências concretas são recebidas com encobrimento e negação. O Partido hasteia a bandeira do relativismo cultural, de que pessoas de fora estão tentando impor padrões culturais ocidentais à China. Envolve-se em falsa indignação, alegando interferência em assuntos internos.

Essa é a resposta típica que o Partido/Estado dá às críticas à repressão à prática dos exercícios do Falun Gong. A própria repressão é negada. Mas as negações são acompanhadas por tal vitupério contra o Falun Gong que as respostas em si são um incitamento à repressão, evidência de que a repressão existe.

Quando o Partido/Estado se disfarça de charme, diz aos seus críticos: vocês têm razão. Concordamos em princípio. Nós vamos mudar. Dê-nos tempo. Ajude-nos. Você sabe mais do que nós. Não temos o know-how tecnológico. Venha para a China. Diga-nos o que fazer.

A hipocrisia é o tributo que o vício presta à virtude. Para o Partido Comunista da China, a hipocrisia é fácil. As leis podem mudar sem variar a prática, uma vez que o Partido controla a aplicação da lei. O Partido nunca aplica a lei contra si mesmo.

Uma ofensiva de charme tem sido a resposta típica às críticas de que a China vem extraindo órgãos de prisioneiros. Enquanto as palavras Falun Gong não forem usadas e o crítico restringir a crítica ao fornecimento de órgãos de prisioneiros, a resposta do Partido/Estado tem sido acomodatícia.

A diferença entre essas duas respostas, grosseria e charme, é o estilo, não a substância. Em nenhum dos casos há mudança real. Essas duas respostas são variações da rotina do policial bom e do policial mau.

 

A pressão dos pares funciona melhor no Partido do que a pressão política

O próprio Partido é principalmente impermeável a mudanças externas. Mudar a China significa desenvolver influência sobre aqueles dentro da China que podem impressionar o Partido com a necessidade de mudança.

A pressão dos pares acabou sendo uma alavanca mais eficaz para a mudança no abuso de transplante de órgãos na China do que a pressão governamental ou intergovernamental, porque a profissão chinesa de transplante é mais sensível às opiniões de seus colegas no exterior do que o governo chinês às opiniões de outros governos ou agências intergovernamentais. Pode-se entender por que isso é assim.

Os profissionais de transplante na China aprendem e alcançam status em sua profissão por meio do contato com seus colegas no exterior. Além disso, sua ligação com o Partido Comunista é bem mais tênue do que a do governo da China.

Um artigo no China Medical Tribune, uma publicação médica oficial disponível em chinês. na China, relata uma conferência de imprensa realizada por Huang Jiefu no congresso chinês de transplante médico em Hangzhou, 30 de outubro de 2014. O artigo refere-se a uma série de críticas estrangeiras ao abuso chinês de transplante de órgãos.

Huang Jiefu disse ao China Medical Tribune que todas as fontes estrangeiras citadas são “bobagens”, “rumores”. Ele afirma “Com o tempo, a verdade será restaurada”. Ele afirma que “a justiça pode estar atrasada, mas nunca ausente”.

Por que Huang Jiefu sentiu a necessidade em 30 de outubro de 2014 de fazer este ponto? Afinal, as evidências de abuso de transplante de órgãos na China vinham se acumulando há anos. O artigo do China Medical Tribune relata a recusa em permitir que 35 participantes chineses por razões éticas participassem do Congresso Mundial de Transplantes em San Francisco em julho de 2014. Ele também observa que, para a mais recente conferência de transplante de Hangzhou, “muitos especialistas em transplantes estrangeiros não compareceram”. Um ano antes, em outubro de 2013, o Congresso de Transplantes da China, também realizado em Hangzhou, contou com a presença de especialistas estrangeiros.

Muitos participantes da conferência de Hangzhou de 2014 provavelmente estavam perguntando onde estavam todos os especialistas em transplantes no exterior. Huang Jiefu deve ter se sentido compelido a dizer algo para explicar e contrariar sua ausência.

Os médicos que se inscreveram para participar e participar do Congresso Mundial de Transplantes em San Francisco em julho de 2014 e foram rejeitados, e seus colegas que sabiam que estavam se candidatando também precisavam de uma explicação. O Partido Comunista pode ter sentido que poderia ignorar a evidência da morte do Falun Gong por seus órgãos. No entanto, eles não podiam ignorar o fato de que médicos de transplantes chineses foram negados a admissão em um congresso internacional de transplantes ou que médicos de transplantes estrangeiros que vieram antes para a China não estavam mais vindo.

Huang Jiefu então reclama da rejeição global de seus colegas. Isso, ele afirma, é uma injustiça que eventualmente será remediada. Ele transforma a preocupação global em matar inocentes por seus órgãos em uma queixa de ostracismo, onde ele e seus colegas, em vez daqueles mortos por seus órgãos, se tornam vítimas. Embora o Partido não estivesse disposto a fazer nada para remediar a vitimização do Falun Gong, os profissionais de transplantes na China estavam preparados para agir para combater o que viam como sua própria vitimização.

 

O Partido se recusa a prestar contas do passado

Embora o Partido esteja mais do que feliz em se livrar dos perdedores nas lutas internas pelo poder com acusações de corrupção, não existe responsabilidade por crimes passados. Embora um funcionário do Partido possa ser condenado por este ou aquele delito, o que o próprio Partido decidiu nunca é questionado.

O Partido muda, mas nunca reforma. Apenas avança para novos abusos e novas formas de descrever antigos abusos. Não há vontade de divulgar e ser responsabilizado pelo passado.

O campo dos transplantes de órgãos, que é tão cheio de abusos liderados pelo Partido quanto qualquer outro, exemplifica essa tendência. Em uma entrevista, o funcionário do Ministério da Saúde Huang Jiefu é questionado:
“Você realmente esteve envolvido na obtenção de órgãos de prisioneiros executados?”
A resposta dele é
“Espero poder levar as pessoas a virar esta página o mais rápido possível e olhar agora.”
Na mesma entrevista ele diz:
“Então, não devemos ficar sempre no passado, sempre preocupados com a página dos presos no corredor da morte. Vire a página e olhe para o futuro. (…) Devemos prestar atenção ao futuro, não ao passado”.
“Não olhe sempre para a página embaraçosa do passado, não se apegue ao passado.”

O melhor indicador para abusos futuros é a impunidade para abusos passados. A noção de que podemos simplesmente ignorar crimes passados ​​e tudo dará certo é uma negação da experiência humana.

 

O Partido Comunista Chinês não é chinês

O Partido Comunista Chinês gosta de caracterizar seus críticos como anti-chineses. Na verdade, essa é uma forma primária de crítica que emana do Partido sobre o trabalho que David Kilgour e eu fizemos, que somos anti-chineses.

No entanto, não há nada especificamente chinês sobre o Partido Comunista Chinês. O comunismo, pelo contrário, é uma importação ideológica ocidental. As características que expus aqui são as mesmas dos partidos comunistas do antigo bloco soviético ou de Cuba.

Uma razão, embora não a única, que o fenômeno Falun Gong assustou tanto o Partido Comunista Chinês é que o Falun Gong é autenticamente chinês e o Partido Comunista não. Seja como for, você pode aprender muito mais sobre o Partido Comunista da China observando o comportamento de seus colegas do bloco soviético do que estudando a cultura e as tradições chinesas.

 

Conclusão

Olhar para o Partido Comunista Chinês da perspectiva da morte do Falun Gong por seus órgãos significa ver o Partido através de um telescópio. Tudo fica mais claro. Características do Partido que de outra forma não seriam perceptíveis tornam-se inevitáveis. A imagem não é bonita. Mas alguém que queira entender a China deve encarar o Partido Comunista da China de frente e vê-lo como ele é.
........................